Notícias

Artigo: Três tarefas

29/01/2018 | FENATTEL

Por João Guilherme Vargas Netto

 

Nesta enervante conjuntura o movimento sindical sofre, além das consequências dela, a paralisia frente às tarefas que lhe são impostas sem que as eventuais bravatas signifiquem algo mais do que “som e fúria”.

 

As centrais sindicais, desorientadas, assistem em silêncio obsequioso a desconstrução do ministério do Trabalho e a tragicômica situação de sua mandatária putativa. Para registro de justiça: uns poucos, muito poucos, dirigentes sindicais fizeram pronunciamentos fortes e precisos sobre a situação escandalosa.

 

Para os trabalhadores e os dirigentes três tarefas emergem com força das sombras da conjuntura:

 

- Impedir a votação, em fevereiro, da deforma previdenciária ou, se o governo ousar colocá-la em votação, agir para derrotá-la. Cada deputado e senador deve ser visitado em suas bases e em Brasília dividindo-os em três categorias – os que nos são favoráveis e devem ser confortados, os que vacilam e devem ser esclarecidos e os que nos são contrários e devem ser isolados. Organizar esta operação exige pressa e conhecimento de causa.

 

- Resistir nas empresas e na Justiça do Trabalho à aplicação da lei celerada, objeto de desejo do patronato e do mercado. Em Santos, por exemplo, o sindicato dos comerciários tem resistido às tentativas de grupos empresariais de implantarem a intermitência dos contratos de maneira abusiva e escorchante, resistência que deve ser apoiada por todo o movimento sindical da Baixada Santista.

 

- Organizar fortes campanhas de sindicalização e de ressindicalização (com metas) como um dos antídotos à carência de recursos e à crise financeira dos sindicatos. Para isso é imperioso que o movimento sindical aproxime-se do movimento dos trabalhadores, defendendo-os e dirigindo-os com firmeza permanente.

 

 

 

Hashtags: